UmuaramaSol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora.18º27º
|

Umuarama

Umuaramense passa quase 40 dias com o pé quebrado antes de lesão ser descoberta

Agora com o pé finalmente engessado a manicure começa a recuperação

Foto: Arquivo pessoal

REDAÇÃO O Bemdito 14 de agosto de 2019 09h09

Na quarta-feira, 3 de julho de 2019 a manicure Sandra Lino, 39, sofreu um acidente de trânsito na avenida Rio Grande do Norte, esquina com avenida dos Xetás. Na ocasião ela e uma amiga caíram da moto em que estavam após serem fechadas por um carro.

Com a queda a passageira teve fratura exposta e Sandra, que era a condutora, também foi encaminhada pelos socorristas do 6º Subgrupamento de Bombeiros Militares Independente (6º SGBI) para cuidados.

Lá, embora estivesse com o pé bastante machucado, após um raio-X o médico disse que a manicure não tinha nenhuma fratura. “Eu tinha certeza que meu pé estava quebrado, mas ele disse que não estava e que era para eu ir para casa”, conta a trabalhadora.

Alguns dias depois, como a dor era muito grande, ela voltou a procurar atendimento médico, desta vez na unidade básica de saúde (UBS) do Ouro Branco, onde mora. O médico afirmou que não poderia dar o encaminhamento para que fosse realizado um novo raio-X, pois ela já havia feito um.

Enquanto isso o próprio postinho oferecia remédios para dor e ataduras para que a manicure realizasse os curativos em casa. Nesta segunda-feira (12), todavia, com muitas dores ela procurou o atendimento médico no hospital de plantão mais uma vez e enfim o diagnóstico correto: pé quebrado.

“Antes eu ficava com essa bota ortopédica e deitada em casa porque dói muito, mas eu fiz curso técnico de enfermagem, sabia que tinha fratura. Demorou 40 dias para eu conseguir engessar meu pé”, conta indignada a manicure.

Ao longo dos 40 dias, sem poder trabalhar, Sandra teve de recorrer ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) para obter uma cesta básica. “A cesta foi ótima, mas minhas outras contas continuam chegando. Essa demora foi muito ruim”, critica.

Segundo a secretaria de comunicação (Secom) da prefeitura de Umuarama, não há nenhuma orientação da secretaria de saúde em relação a limites de exames.

Além disso, conforme a Secom em um dos atendimentos na UBS a paciente teria se negado a ser examinada e no outro “não havia sinal de fratura”.

 

Comente

Leia também

LAB
ACIU - SABADAO

Mais lidas

TAKEJIMA
CELIO MOBILE
VIVIAN 1
CARRETÃO - Qualidade Dose Dupla
VIVIAN 2
PLANALTO