UmuaramaSol com algumas nuvens. Não chove.19º31º
|

Paraná

Autorizada venda de selos personalizados de dinossauros paranaenses

Fósseis do Vespersaurus paranaensis e o pterossauro Caiuajara dobruskii foram encontrados em Cruzeiro do Oeste

Foto: Correios

BLOG DOS CORREIOS O Bemdito 19 de janeiro de 2020 13h24

O selo personalizado também é item de colecionismo. Por isso é comum filatelistas e clientes em geral procurarem os Correios para comprar selos que foram encomendados por outras pessoas.

Quando autorizados pelo cliente que fez o primeiro pedido, os Correios disponibilizam esses selos personalizados para encomenda, nas agências de todo o país e também por meio da loja virtual.

Para os colecionadores temáticos, destacamos aqui os selos dos dinossauros cujos fósseis foram encontrados no Paraná, o Vespersaurus paranaensis e o pterossauro Caiuajara dobruskii.

Um dinossauro pequeno, carnívoro, com braços curtos, e bípede – cujo peso do corpo se sustenta no dedo central dos pés. Esse é o Vespersaurus paranaensis, um espécime inédito no mundo, encontrado na região de Cruzeiro do Oeste, município de 21 mil habitantes no Noroeste do Paraná. A descoberta do fóssil foi anunciada em entrevista coletiva em junho deste ano, como resultado de pesquisas feitas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade de São Paulo (USP) e do Museu Paleontológico de Cruzeiro do Oeste. O estudo sobre o primeiro dinossauro “100% paranaense” foi publicado no periódico científico Scientific Reports.

O novo dinossauro, que teria vivido há 90 milhões de anos, no período Cretáceo, foi encontrado no mesmo sítio paleontológico em que já haviam sido descobertos inúmeros indivíduos do pterossauro Caiuajara debruskii. O nome saiu da junção de vésper (oeste, em latim; homenagem à cidade em que ele foi encontrado) e saurus (lagarto, também em latim).

Entre as principais características anatômicas que fizeram com que eles merecessem uma nova classificação, diferenciando-os das espécies conhecidas de pterossauros, está o fato de eles terem o “bico”, ou seja, a parte final da mandíbula, mais inclinado para baixo do que os outros.

Além disso, os animais apresentam concavidades no céu da boca e na arcada inferior, sendo esta última mais pronunciada, e cuja utilidade os pesquisadores ainda não desvendaram. Os pesquisadores estimam que o animal tenha vivido no período Cretáceo Superior, há cerca de 80 milhões de anos.

A importância desta descoberta, além de ser uma espécie nova, está no acúmulo de fósseis no local. Esta é a primeira acumulação de pterossauros encontrada no país, e a terceira em todo o mundo. A primeira ocorreu na Argentina, na década de 1990, e a segunda na China, em 2014. Entre as três, a acumulação do Paraná é a com maior número de indivíduos identificados até então.

Uma possível explicação para essa concentração consiste no fato de que a região de Cruzeiro do Oeste era um deserto na época em que estes animais habitavam o local. Por isso, os pterossauros provavelmente se concentravam em torno de algum tipo de oásis, o que explicaria as condições em que os ossos foram encontrados (desmontados e misturados).

Vá até uma agência ou acesse a loja virtual.

(Reportagem: Blog dos Correios)

 

Comente

Leia também

JOSIANE
SENAC_2
MORENA
cenaic

Mais lidas

TUCCA
Lançoni
ADAMANTINA
ANHAGUERA
SWEET COLORS
SENAC
AGRO