UmuaramaSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.22º30º
|

Paraná

Cai desigualdade salarial entre homens e mulheres no Paraná, diz IBGE

A diferença do salário médio em 2016, referência mais recente, era de R$ 235 a favor dos homens
A diferença do salário médio em 2016, referência mais recente, era de R$ 235 a favor dos homens
Foto: Divulgação

REDAÇÃO O Bemdito 12 de fevereiro de 2018 13h42

A desigualdade de salários entre homens e mulheres persiste, mas vem diminuindo nos últimos anos no Paraná, mostram dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

O salário médio dos homens no Estado foi de R$ 2.441, contra R$ 2.206 das mulheres em 2016, uma diferença de R$ 235. Naquele ano (dado mais recente disponível), as mulheres ganhavam 26,5% menos do que os homens. Em 2012, essa diferença era de 32,1%. O rendimento médio dos homens era de R$ 2.442 e das mulheres era de 1.658, de acordo com o IBGE.

A queda na diferença se deve a uma mudança estrutural registrada nos últimos anos, de acordo com Daniel Nojima, diretor do centro de estatísticas do Ipardes. “Certamente a educação tem um peso nessa mudança. As mulheres, especialmente as jovens, têm mais anos de estudo do que os homens, o que tem se refletido em maiores remunerações”.

Entre 2012 e 2014, o salário das mulheres aumentou (sem considerar a inflação no período) 47% no Paraná. Já o dos homens ficou praticamente estável. Em média, as mulheres brasileiras com 25 anos ou mais têm 8,2 anos de estudo, contra 7,8 anos dos homens, de acordo com dados do IBGE.

Melhora

Entre 2012 e 2016, o Paraná melhorou duas posições entre os Estados com menor desigualdade salarial – passou de quarto para sexto lugar. Hoje, tem a menor disparidade de salários entre os sexos do Sul. No Rio Grande do Sul, as mulheres ganhavam, em média, 27,4% menos, e em Santa Catarina, a diferença era de 26,5% em 2016.

Progresso

De acordo com Daniel Nojima, essa desigualdade deve reduzir ainda mais nos próximos anos, mas ela avança ainda a passos lentos no País. “O que se espera é que, com o Brasil deixando a crise econômica para trás, as condições do mercado de trabalho melhorem e a renda acompanhe”, diz Nojima.

Contudo, alguns fatores, como a preponderância da mão de obra feminina no trabalho doméstico e a maior incidência de jornada de trabalho de seis horas entre as mulheres também pressionam para baixo o rendimento das mulheres.

Comente

Leia também

RINOPLASTIA - Dr. Ricardo
ORAL SIN
PRO-OFTALMO
NEIDE KUMAGAI - Hipnose

Mais lidas

GASTRO - Dr. Gilberto
OFERTA_VIVIAN 2
OFERTA_VIVIAN 1
churrascaria
CARRETÃO - Qualidade Dose Dupla
INFOLAB