UmuaramaSol com algumas nuvens. Não chove.16º28º
|

Saúde

Depressão, melancolia e sensação de solidão de final de ano. E agora?

ANDRÉA SEFRIAN (*) O Bemdito 4 de dezembro de 2019 17h00

Já reparou que vai chegando o fim do ano e muitas pessoas começam a ficar um pouco mais tristes, sensíveis ou melancólicas? Pois é, isso é mais comum do que se imagina. Apesar de ser uma época de muitas comemorações e celebrações, para muitas pessoas se torna um período de grande angústia e ansiedade. 

Família e amigos reunidos, mesa farta, muitos presentes, uma linda decoração de Natal e muitas selfiesrepletas de sorrisos. O Natal também é tempo de solidariedade e amor ao próximo, quando as emoções ficam à flor da pele. Configura-se, então, o compromisso de uma alegria plena. Aos que não têm esse cenário “perfeito” no fim de ano, o sentimento pode ser de abatimento, tristeza e, por vezes, solidão.

A nossa cultura ensina que todo começo de ano, é o início de um novo ciclo e com isto você precisa estabelecer novas metas, se comprometer e dar tudo de si para alcançá-las. Porém, com o decorrer dos dias, os compromissos, o trabalho, os estudos, as novas experiências e pessoas que vão surgindo, vão preenchendo o tempo num piscar de olhos quase que imperceptível, e junto com isto aparece o cansaço que muitas vezes também acaba sugando boa parte da energia. 

De repente, quando você se dá conta, já se passou mais um ano, e nem todas as metas e sonhos foram alcançados, gerando um sentimento de frustração, incompetência, e muitas vezes um complexo de inferioridade também, principalmente quando se comparam com outras pessoas. 

Além disso, o final de ano também traz consigo a memória de outras festas, vividas na companhia de familiares ou amigos que se foram, ou bem aproveitadas em uma situação mais favorável, inclusive financeira. É o momento em que muitos dizem: “É o primeiro Natal sem o meu pai” ou “Mais um ano sem conseguir comprar uma casa ou um carro melhor”. 

Essa auto cobrança e pensamento focado no que não deu certo não é nenhum pouco saudável, então se você quer amenizar esses sintomas, avalie não apenas os resultados, mas o esforço feito no tradicional balanço de fim de ano. Considere que muitos fatores interferiram sobre os resultados que você obteve em sua vida pessoal e profissional e tente enxergar o empenho que colocou em cada objetivo. 

Será que você não fez o melhor que poderia ter feito, considerando a situação em que estava inserido e os recursos que tinha naquele momento? Também vale a pena colocar na conta as lições aprendidas com o que não deu certo. Afinal, são elas que vão levá-lo a um patamar mais elevado, lá na frente. 

Transforme a frustração em motivação.

Em vez de ficar se culpando pelo que não rolou (o que é muito improdutivo), pense no que pode fazer diferente para bater suas metas no ano que vem. E agradeça pelo que avançou neste ano, mesmo que ele tenha deixado muito a desejar. 

Não se sinta na obrigação de parecer feliz e satisfeito em todos os momentos, só porque a época é festiva. Se dê o direito de ficar mais reservado e aproveite a fase para um exercício de autoconhecimento. Encare as suas frustrações e tente entender porque elas estão ali. Se o coração apertar demais, chore, pois isso ajuda a aliviar a pressão. 

Se a tristeza se prolongar por meses, tornando-se um estado permanente, o melhor a fazer é procurar apoio profissional, com um psicoterapeuta. Quando a melancolia leva ao isolamento total e rouba a vontade de viver e de desempenhar até mesmo as atividades que antes pareciam prazerosas, é preciso investigar. O agravamento desse quadro pode levar a doenças mais sérias, como a síndrome do pânico, os transtornos de ansiedade e até mesmo a depressão.

É importante também saber que, tudo o que planejamos e vamos deixando para depois, chama-se procrastinação, e o que muitos não sabem é que ela está diretamente ligada com autoconfiança. 

Ou seja, se você não acredita e não confia no seu potencial, se sente por vezes, muito inseguro e inferior a outras pessoas, o seu próprio inconsciente automaticamente te sabota sem você nem perceber, mandando mensagens para o cérebro do tipo: “...ah eu não vou conseguir mesmo, deixa pra lá, outra hora vejo isso...” ou então “...não sei nem como começar... e se não ficar bom...” e com isto você vai adiando, adiando... e quando se dá conta já se passaram todos os prazos que você havia pré-determinado. 

Porém quando você consegue perceber que tem algo errado e que entrou nesse processo de auto sabotagem, você já trouxe para consciência que precisa iniciar uma mudança. É preciso entender que não há fórmulas e dicas prontas para resolver sua vida. Não que deixem de ser válidas, mas a mudança é um processo contínuo, completamente individual e, acredite, mais possível do que se apresenta. Ressignifique tudo o que passou como um aprendizado, e assim vai ver como pode ter um final de ano bem diferente.

_____________

(*) ANDRÉA SEBRIAN (CRP 08/12599) é psicóloga especializada em Gestão Estratégica de Pessoas pela PUC-PR e atua há 10 anos como psicóloga clínica na Clinimed, além de ser palestrante e prestar consultorias e treinamentos em instituições e empresas. Apaixonada pelo ser humano, acredita que sua missão de vida é trabalhar ouvindo histórias de vida e construindo pontes de esperança. 

 

Comente

Leia também

Casa do encanador
MORENA
LAB
Ks motos
AUTENTIC
SE LIGA DESKTOP

Mais lidas

TUCCA
ACIU DESKTOP
Obemdito anuncie
CASA DO ESPETINHO DESKTOP
Glamour Cosméticos
AGRO_E_PET_FAZENDAO
RF Desktop