UmuaramaSol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.14º26º
|

Colunista

Apoiar a agricultura familiar é apoiar a sobrevivência da população

Foto: AEN/Imagem Ilustrativa

ZECA DIRCEU* O Bemdito 13 de maio de 2020 15h38

A agricultura é uma das principais atividades para a sobrevivência humana. Dentro desse setor, a agricultura familiar é responsável por 70% de tudo o que consumimos em nossas casas, além de gerar cerca de 10 milhões de empregos, de acordo com os dados do Censo Agropecuário do IBGE.

Mesmo sendo uma área essencial e enfrentando problemas estruturais e climáticos, a exemplo da grave estiagem prolongada na região Sul do país, a crise do Coronavírus está causando ainda mais prejuízos à agricultura familiar. Desde que as transmissões comunitárias foram confirmadas no Brasil, as áreas de produção de leite e queijos, pescados, fruticultura e horticultura sofrem com a falta de opções para escoamento das produções, que em épocas normais é praticamente diária. Com restaurantes, lanchonetes e escolas fechadas, o consumo de alimentos vindos diretamente dos produtores diminuiu.  

Um dos projetos que tramitam na Câmara dos Deputados, com o objetivo de auxiliar produtores rurais, é o Projeto de Lei 1322 de 2020, que apresentei junto com diversos parlamentares do Partido dos Trabalhadores. O projeto é um conjunto de ações que garantem medidas emergenciais para agricultores de todo o país. O texto apresenta propostas como a criação de uma linha de crédito rural emergencial para as safras de 2020/2021, com juros zero, para que os produtores consigam estruturar sua infraestrutura, melhorando logística, controle e gestão, além de trabalhar a securitização das dívidas de agricultores endividados, parcelando os débitos para conceder novas linhas de financiamento. Outro ponto é a garantia do fornecimento de serviços essenciais como água e luz, e a suspensão das cobranças desses serviços enquanto durar o período de calamidade.

Todos os dias milhares de produtores continuam suas atividades, porém sem qualquer segurança para que permaneçam produzindo. Se há cultivo, é necessário que haja espaço para a comercialização desses produtos. Cooperativas e associações já comprovaram que tem capacidade de pensar na produção e na comercialização em uma escala maior. Em uma escala mais competitiva, valorizando o agricultor e a pequena propriedade rural. 

Diante da necessidade de três bilhões de reais para diminuir os impactos provocados pela quarentena, o governo liberou apenas 500 milhões para a compra de produtos da agricultura familiar, por intermédio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Desse total, 150 milhões destinados para que governos e prefeituras possam adquirir as produções, 130 milhões para a compra de leite in natura, e por último, 220 milhões para Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para a doação de alimentos para ONGs e entidades sociais.

As medidas adotadas pelo executivo são poucas para desafogar minimamente a produção represada. Uma das soluções apontadas, via cooperativas e associações, seria a comercialização direta para hospitais, sistema prisional, entre outras instituições que ainda estão funcionando e poderiam ceder espaço para esses produtores. Outra medida esperada ainda pelos agricultores é a sanção do Projeto de Lei 873/2020, que amplia da Renda Básica Emergencial para agricultores familiares e trabalhadores rurais, que foi aprovado pelo Congresso Nacional há quase um mês.

Dinheiro não falta. Bancos como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil tiveram 35 bilhões de lucro em 2019, dinheiro suficiente para inclusive subsidiar a agricultura familiar, sem falar nas reservas internacionais brasileiras que acumulam 1,5 trilhões de reais. Ainda em março, o Congresso aprovou o estado de Calamidade Pública e a flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal, para dar agilidade ao socorro da classe trabalhadora. Infelizmente, o que vemos é uma série de retrocessos praticados pelo atual comando do país.

É extremamente urgente pressionar o executivo federal para que as medidas sejam colocadas em prática o mais rápido possível. Os agricultores não podem mais ficar esquecidos e prejudicados. Repensar o setor hoje para planejar os próximos 20 ou 30 anos, esse será o caminho para fugir da atual crise e garantir que a produção rural continue exercendo seu papel de importância na retomada da economia brasileira.

* Zeca Dirceu é deputado federal do Paraná pelo Partido dos Trabalhadores

Comente

Leia também

Casa do encanador
SE LIGA DESKTOP
Ks motos
AUTENTIC
MORENA
LAB

Mais lidas

CASA DO ESPETINHO DESKTOP
TUCCA
RF Desktop
JOÃO CELÓIA DESKTOP
AGRO_E_PET_FAZENDAO
CASA TOESCA