UmuaramaDia de sol com aumento de nuvens a partir da tarde. Não chove.20º
|

Paraná

Mulher que teve coronavírus em Cianorte fala sobre medo e preconceito

Diagnosticada com Covid-19, Eli Maria volta aos poucos à rotina e relata o que passou

Foto: Renata Martins

TRIBUNA DE CIANORTE O Bemdito 30 de maio de 2020 19h42

Eli Maria voltou à sua rotina aos poucos e já leva uma vida normal. Depois de ser uma das primeiras vítimas do coronavírus em Cianorte, ela tem conseguido retomar a sua vida depois de ter ficado 14 dias isolada e tendo que se privar do abraço do apertado do seu filho de 12 anos. Em reportagem do site Tribuna de Cianorte, Eli conta que, recuperada, ela já até voltou a praticar exercícios físicos, trabalhar, e ter contato com seus familiares, mas as dores que a marcaram não tiveram nada a ver com a parte física, e sim aquelas que castigaram o seu emocional: lembrar que não pode ficar próxima dos filhos e do preconceito que sofreu por conta da doença.

O isolamento de Eli começou no dia 16 de março e terminou no dia 31. Nesse período, mesmo com seu marido e os dois filhos na mesma casa era essencial manter a distância. “Eu separei minhas coisas, como o pessoal da saúde recomendou. Prato, copo, talheres, só que não tem como você se isolar totalmente. Meus filhos tiveram que ficar comigo, porque ninguém ia querer ficar com eles, já sabendo que eu estava contaminada”, contou Eli.

Conforme Eli, ela dormia no quarto do casal e o marido passou a dormir com os filhos, sempre buscando manter a distância. “Nos primeiros dias mantínhamos a distância, se eu ia ao banheiro limpava com água sanitária, usava máscara o tempo todo, lavava as mãos, usava álcool em gel. Todos nós ficamos isolados por 14 dias”.

Foi no dia 26 de março que Eli recebeu a confirmação do vírus. “Quando chegou o resultado do exame eu já estava bem, mas foi outro susto”, afirmou Eli. De acordo com ela, os filhos, menino de 12 e uma menina de 8, e o marido ficaram apavorados. “As crianças choraram, meu marido ficou apavorado, porque eu tive contato com toda a minha família. Tive contato com todos por conta de um problema de saúde do meu pai. Muitos passaram pela minha cassa”, afirmou.

Segundo Eli, todas os seus familiares e também colegas de trabalho foram colocados em monitoramento. Nenhum deles apresentou sintomas ou foi confirmado com o vírus.

De acordo com Eli, ela descobriu outras doenças devido à sua contaminação com o vírus. “Até então eu não sabia que tinha asma e rinite”, contou. Para a operária, foi isso o que agravou a sua situação.

Depois da confirmação, o medo e a ansiedade tomaram conta de Eli. “Eu tive muito medo. A falta de ar aumentou e acho que foi tudo por causa do medo. Quando me isolaram já foi um choque. Eu achava que ia morrer, tive febre três vezes”, contou Eli. Segundo ela, quando uma pessoa tem febre e falta de ar, é porque 50% do pulmão está tomado. “E aí não tem mais volta e tem que entubar, eu tinha muito medo disso”, relatou.

Segundo a Eli, os filhos não aceitavam a situação. “Tinha hora que eu me deparava com eles ao meu lado, aí eu já me afastava e mandava eles irem pra longe. E eles ficavam meio revoltados”, disse.

Apesar de toda a situação, Eli acredita que foi tranquilo passar pela doença, mas o que mais a magoou foram algumas pessoas. “Eu senti preconceito. Até de familiares. Alguns ficaram dias sem falar comigo. Havia pessoas que achavam que ainda não tinha me recuperado e já estava nas ruas”, lamentou.

Para Eli, as complicações foram parte de uma gripe, e o que mais piorou sua situação foi o emocional. Segundo Eli, ela também descobriu que seu pai tinha um quadro de câncer terminal na mesma época. “Descobrimos que meu pai estava com câncer, e – no início – aí eu fiquei pior ainda. Todos achavam que era por causa no meu pai e não pela gripe. Foi mais o emocional e a falta de ar que eu já tenho que agravou a situação. E também pela ansiedade e medo”

Um abraço forte

No dia do resultado do exame, a família da Eli, filhos e marido, ficaram desesperados. E durante o momento de caos e medo, o filho de Eli apenas queria dar um abraço na mãe. “Ele me perguntou ‘que dia você vai poder ter contato com as pessoas?’ e ai eu falei que seria no dia 28. E o meu filho questionou novamente ‘aí você pode abraçar?’ e eu respondi que sim. E ele continuou ‘quando esse dia chegar você me dá um abraço bem forte?’”, relatou Eli.

Segundo Eli, antes mesmo dela acordar, no dia em que já estava liberada, todos os três já estavam ao seu lado prontos para abraçá-la.

Eli também contou que o momento que enfrentaram juntos também uniu a família. “Foi muita oração, muita gente orando por mim, e isso me confortava bastante. Principalmente na nossa casa, foi mais a união na nossa casa, a busca por orações. Isso serviu para nos unir também”, concluiu.

Retomada à vida normal

Depois de curada, Eli ainda não tinha confiança de sair de casa. “Mesmo depois do isolamento, eu fiquei com medo de visitar meu pai. Ainda tinha receio. Demorei mais uma semana para sair de casa. Ia apenas do trabalho para a casa e da casa para o trabalho”, contou Eli.

No começo, Eli afirmou que tinha vergonha de ter sido contaminada pelo vírus. “Muitas pessoas me perguntavam e alguns ainda faziam comentários ruins”, disse.

Apesar das situações constrangedoras e preconceitos, Eli conta que agora todos estão mais tranquilos. “Depois de alguns dias comecei a voltar, não tem porque eu me isolar do mundo”, finalizou.

Para conferir a reportagem original do site Tribuna de Cianorte, clique aqui.

(Foto: Arquivo pessoal)

 

Comente

Leia também

DUDU LANCHES
POSITIVO
MORENA
LAB
AUTENTIC

Mais lidas

SENAC
CASTELO MULTIMARCAS
AGRO_E_PET_FAZENDAO
INSTALCOM
NOSSA SENHORA
CASA TOESCA